Ainda acredita nesses 4 mitos de SEO? Confira por que você não deveria

Ter presença significativa na web faz com que uma empresa ou um determinado site ganhe autoridade e relevância com seus clientes em potencial. Quem utiliza o SEO corretamente, portanto, tem grandes chances de estar entre os primeiros resultados nas pesquisas do Google, aumentando as oportunidades de visitas e cliques de compra.

Isso acontece porque o SEO permite que o seu endereço web seja otimizado e apareça mais nas buscas orgânicas, melhorando o posicionamento. Para que isso funcione, no entanto, é preciso ter atenção à forma apropriada de se trabalhar com essa estratégia — o que torna fundamental manter-se longe dos erros e dos mitos de SEO.

Para melhorar seus resultados, saiba quais são esses mitos e veja os verdadeiros motivos para não acreditar neles:

A palavra-chave precisa ser exata

Uma crença comum dentro do SEO é acreditar na correspondência exata de palavras-chave. Essa correspondência não é a principal responsável por posicionar o site. Afinal, é importante também que o conteúdo e o conjunto de termos estejam trabalhando juntos para a indexação favorável do seu site.

Sendo assim, de nada adianta encher o seu site ou o texto com a repetição de apenas uma palavra-chave. Você precisa trabalhar com um conjunto de fatores que se enquadrem bem ao tema, e isso inclui o título, os subtítulos, o corpo do texto e outros elementos que englobam as tags.

Em suma: as palavras-chave são de grande ajuda para indexar um site. Porém, um conteúdo de qualidade é o que fará toda a diferença para ter mais tráfego.

O SEO é estático

Um dos mitos de SEO bastante comum é que bastaria otimizar o seu site uma vez e esperar os seus bons resultados. Mas ocorre que o SEO não é algo estático; assim, ele precisa de atenção constante para que você consiga sucesso com ele.

O motivo para essa “manutenção” é simples: a internet é dinâmica, e os sites de busca sempre inovam a forma como buscam os resultados, tornando o acompanhamento e a mudança de termos crucial para a indexação.

Lembre-se também de que o conteúdo também precisa ser relevante. Portanto, a atualização do site é fundamental para conservar-se em um bom posicionamento ao longo do tempo.

As redes sociais ajudam a ranquear o site

Saiba que o tráfego gerado por Facebook, Twitter ou outras redes sociais não interfere no posicionamento do seu site nas buscas do Google. Isso significa que de nada adiantaria (para o SEO) ter milhões de compartilhamentos, likes ou tweets para posicionar o seu site no Google. Os buscadores não se utilizam de dados desses sites para os seus rankings.

Apesar de não serem úteis para a indexação nos mecanismos de pesquisas da internet, os links compartilhados nas redes sociais auxiliam na distribuição do conteúdo na web, fazendo com que ele se espalhe. Isso, por conseguinte, aumenta as chances do seu site ser buscado.

A otimização das imagens não é importante

Embora seja bem simples de realizar, muitos profissionais deixam a otimização das imagens de lado, por considerar algo desnecessário. Na verdade, isso é um grave erro.

As imagens colaboram na indexação dos sites, desde que contenham uma linguagem acessível para os mecanismos de busca na internet.

A imagem em si não pode ser lida ou vista por nenhum buscador, pois eles entendem apenas caracteres. Sendo assim, a imagem precisa ser descrita com palavras para ser indexada.

Para que isso aconteça, a foto ou a figura precisa apresentar descrições apropriadas e que envolvam o conjunto de palavras favoráveis e coerentes ao SEO empregado na página em que estiver.

E você, conhece outros mitos de SEO que não citamos aqui? Conte pra gente nos comentários!

CTA SEO para Negócios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *